domingo, 26 de julho de 2015

BRASIL : Executivo da OAS se oferece para contar à Lava Jato segredos devastadores sobre Lula

Capa VEJA - Edição 2436

Em troca de benefícios legais, Léo Pinheiro promete revelar, em delação premiada, o que viu, ouviu e fez nos anos em que compartilhou da intimidade do ex-presidente


Léo e Lula são bons amigos. Mais do que por amizade, eles se uniram por interesses comuns. Léo era operador da empreiteira OAS em Brasília. Lula era presidente do Brasil e operado pela OAS. Na linguagem dos arranjos de poder baseados na troca de favores, operar significa, em bom português, comprar. Agora operador e operado enfrentam circunstâncias amargas. O operador esteve há até pouco tempo preso em uma penitenciária em Curitiba. Em prisão domiciliar, continua enterrado até o pescoço em suspeitas de crimes que podem levá-lo a cumprir pena de dezenas de anos de reclusão. O operado está assustado, mas em liberdade. Em breve, Léo, o operador, vai relatar ao Ministério Público Federal os detalhes de sua simbiótica convivência com Lula, o operado. Agora o ganho de um significará a ruína do outro. Léo quer se valer da lei sancionada pela presidente Dilma Rousseff, a delação premiada, para reduzir drasticamente sua pena em troca de informações sobre a participação de Lula no petrolão, o gigantesco esquema de corrupção armado na Petrobras para financiar o PT e outros partidos da base aliada do governo.
Por meio do mecanismo das delações premiadas de donos e altos executivos de empreiteiras, os procuradores já obtiveram indícios que podem levar à condenação de dois ex-ministros da era lulista, Antonio Palocci e José Dirceu. Delatores premiados relataram operações que põem em dúvida até mesmo a santidade dos recursos doados às campanhas presidenciais de Dilma Rousseff em 2010 e 2014 e à de Lula em 2006. As informações prestadas permitiram a procuradores e delegados desenhar com precisão inédita na história judicial brasileira o funcionamento do esquema de sangria de dinheiro da Petrobras com o objetivo de financiar a manutenção do grupo político petista no poder.
É nessa teia finamente tecida pelos procuradores da Operação Lava-Jato que Léo e Lula se encontram. Amigo e confidente de Lula, o ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro autorizou seus advogados a negociar com o Ministério Público Federal um acordo de colaboração. As conversas estão em curso e o cardápio sobre a mesa. Com medo de voltar à cadeia, depois de passar seis meses preso em Curitiba, Pinheiro prometeu fornecer provas de que Lula patrocinou o esquema de corrupção na Petrobras, exatamente como afirmara o doleiro Alberto Youssef em depoimento no ano passado. O executivo da OAS se dispôs a explicar como o ex-presidente se beneficiou fartamente da farra do dinheiro público roubado da Petrobras.
FONTE : REVISTA VEJA

ECONOMIA : Ambev vai investir mais de R$ 400 milhões na expansão da fábrica de Itapissuma

art_9433

A maior fábrica da Ambev no Norte e Nordeste vai ficar ainda maior. A companhia vai investir mais de R$ 400 milhões nos próximos dois anos para ampliar a unidade instalada em Itapissuma, Região Metropolitana do Recife, e concentrar novas operações logísticas. O anúncio dos investimentos foi feito pelo presidente da Ambev, Bernardo Paiva, que se encontrou ontem à noite com o governador Paulo Câmara no Palácio do Campo das Princesas.

Segundo informações do governo do estado, o staff da Ambev voltará a Pernambuco para detalhar a nova operação. Mas já foi adiantado que, com a expansão, a fábrica em Itapissuma será a primeira do Nordeste a produzir o portfólio da nova linha Long Neck da cervejaria, que reúne Budweiser, Stella Artois e Skol Senses. Além da ampliação da produção, a unidade será também a primeira da região a importar cerveja da linha Super Premium, a Corona.

Bernardo Paiva também informou a Paulo Câmara que a distribuição dos produtos para toda a região Nordeste será feita a partir de Pernambuco. O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, destacou o fato de os municípios de Igarassu e Itapissuma estarem localizados sobre o Aqüífero Beberibe, que possui uma das águas de melhor qualidade do país. “Para produção de cervejas, isso é uma razão determinante.”

A fábrica da Ambev de Itapissuma, construída às margens da BR-101, foi inaugurada em março do ano passado, marcando o aniversário de 85 anos do grupo em Pernambuco. Considerada uma das mais modernas do Brasil, recebeu investimentos de R$ 725 milhões para ter capacidade de produzir 800 milhões de litros das principais marcas de cerveja e refrigerante do grupo. Gerou mais de mil empregos.

Com o início da operação da nova fábrica em Itapissuma, a Ambev optou pela transferência da operação da unidade do Cabo de Santo Agostinho para o local. Além desta fábrica, a companhia possui em Pernambuco quatro centros de distribuição direta (Olinda, Caruaru, Cabo de Santo Agostinho e Salgueiro).

Fonte : Prefeitura Municipal De Itapissuma

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

MURAL DE RECADOS