quinta-feira, 31 de março de 2016

ECONOMIA : Governo do Estado não assumirá Arena Pernambuco a partir desta sexta-feira

Gestão Paulo Câmara rompeu contrato com Odebrecht, mas não administrará o equipamento na data anunciada anteriormente
Governo estadual não assumirá Arena Pernambuco a partir desta sexta-feira / Alexandre Gondim

Governo estadual não assumirá Arena Pernambuco a partir desta sexta-feira

Alexandre Gondim


Franco Benites
A Arena Pernambuco não vai para as mãos do governo estadual nesta sexta-feira (1º) como anunciado recentemente pelo secretário de Turismo, Esporte e Lazer, Felipe Carreras. Nesta quinta (31), o auxiliar do governador Paulo Câmara informou que o equipamento segue com a Odebrecht apesar da gestão socialista ter rescindido o contrato com a empresa.

"Não assumiremos a Arena nesta sexta porque não se fez o distrato com a Arena Participações (braço da Odebrecht que cuida do estádio). A gente está pronto para receber, porém a parte formal não foi feita ainda. Não tem previsão", afirmou Felipe Carreras.

De acordo com o secretário, o jogo entre Náutico e Central, válido pelo Campeonato Pernambucano, que será realizado neste domingo (3), ficará sob responsabilidade da Odebrecht. "Continua do jeito que está. Fica com a gestão normal do jeito que era antes", disse. 

Por meio de nota, a Odebrecht confirmou as palavras do secretário estadual e deixou claro que não pretende rescindir o contrato com o governo estadual:  "A Arena Pernambuco Negócios e Investimentos S.A. afirma que estará à frente da operação do jogo Náutico x Central, domingo (03/04), e reitera que permanece em tratativas com o Governo do Estado de Pernambuco, trabalhando na superação do atual cenário que envolve a rescisão contratual da PPP.

A negociação com o Náutico, Sport e Santa Cruz para que os clubes faça um contrato com o governo estadual de utilização da Arena Pernambuco também não evoluiu. Segundo Carreras, o governo estadual só poderá avançar nas articulações quando estiver de fato à frente do empreendimento. "Garanto quer vamos propor um modelo de negócio transparente, mais interessante e melhor para os clubes", declarou.


A decisão de romper o contrato de Parceria Público-Privada com a Odebrecht foi informada pelo governo estadual por meio de uma nota no início de março. No documento, a gestão Paulo Câmara informou que decidiu fazer uma revisão contratual e que um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) indicava que o melhor caminho seria a rescisão.
A gestão de Felipe Carreras sobre a Arena Pernambuco é considerada temporária já que o governo estadual fará uma licitação internacional para encontrar um novo parceiro que assuma o empreendimento.
No último dia 25, a Arena Pernambuco serviu de palco para o jogo entre Brasil e Uruguai, válido pelas Eliminatórios da Copa do Mundo de 2018. O jogo, que terminou empatado por 2x2, registrou um novo recorde de público do estádio com a venda e distribuição de 44.739 ingressos. O equipamento tem capacidade para 46.214 pessoas.
Antes desse jogo, o recorde de público foi do duelo entre Sport e São Paulo, com 41.994 lugares ocupados. O jogo terminou com vitória do rubro-negro pernambucano por 2x0. O primeiro jogo oficial da Arena Pernambuco ocorreu no dia 22 de maio de 2013. A partida entre Náutico e Sporting, de Portugal, registrou a presença de 26.803 torcedores e terminou empatada em 1x1.

FONTE : JC ONLINE

GENTE : Ator do Zorra diz ter sido expulso de avião por ser negro

Érico Brás diz que Avianca cometeu racismo e que empresa o considerava uma ameaça
Humorista Érico Brás e esposa Kênia Maria vão processar empresa aérea. Foto: Reprodução da internet
Humorista Érico Brás e esposa Kênia Maria vão processar empresa aérea. Foto: Reprodução da internet

Érico Brás, humorista do Zorra, e a esposa, a atriz Kênia Maria, foram expulsos de um voo da Avianca na manhã desta quinta-feira (31). Segundo informações do portal G1, eles estavam em Salvador e viajariam para o Rio de Janeiro.

O ator conta que a confusão começou quando Kênia tentou colocar a bolsa embaixo na poltrona da frente. Ele acredita que o episódio foi um caso de racismo. "Eu e ela sentaríamos nas cadeiras do meio e no corredor. Um passageiro chegou para sentar na janela e nos levantamos. O avião estava cheio e o compartimento de bagagem lotado. Quando ela foi guardar a bolsa embaixo da cadeira, o que é um procedimento padrão, o próprio comandante, que é branco, veio e disse que não poderia ser ali. Foi extremamente grosseiro e mal educado", declarou.

Érico conta que a Polícia Federal foi acionada depois que um funcionário da empresa não conseguiu resolver a situação. Disse que não tinha motivo para sair do voo e eles me falaram que eu era uma ameaça. Não sou terrorista", conta Érico, acrescentando que outros oito passageiros desembarcaram em solidariedade.

Ele irá processar a empresa: "Me senti extremamente impotente. Infelizmente esse é o tipo de tratamento. As pessoas te olham por causa da sua cor. Registrei uma denúncia na Anac e vou acionar meus advogados quando chegar no Rio", diz ele, que perdeu a gravação do Zorra, que aconteceria às 11h no Projac.

Procurada, a Avianca, através de sua assessoria de imprensa, disse que o "intuito da empresa é cumprir a pontualidade com todos os passageiros e ter a segurança do voo em primeiro lugar. Quando existe um tumulto, o procedimento no setor é acionar a Polícia Federal".

FONTE : DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

MURAL DE RECADOS